em Marca

O Valor das Marcas

O Ranking das 100 marcas mais valiosas do mundo, divulgado pela Interbrand este mês, deixa claro como a gestão do negócio, e aqui está incluído o Marketing, influência na percepção do consumidor e, claro, na geração de lucros. É interessante ver como se dá as maiores valorizações e quedas de valor das marcas e os porquês disso. Vejamos.
O Google, agora valendo US$ 31,98 bilhões, foi a marca que mais cresceu em valor: 25%. Segundo a Interbrand, a diversificação contínua dos negócios da Google como novos modelos de publicidade, a alta funcionalidade dos serviços, a transparência e o lançamento do Google Chrome e chegada do sistema operacional de celulares Android aos celulares foram os motivos.
Depois do Google, a Amazon.com foi a marca que mais ganhou valor, crescendo 22% e chegando a US$7,85 bilhões. Além de estar se beneficiando da estratégia de não ter lojas físicas em uma época de recessão, a loja de departamentos on-line vai  vender livros eletrônicos que podem ser lidos no iPhone e no iPod Touch e está buscando reduzir as embalagens, focando em sustentabilidade.
Ter um modelo de negócios inovador também faz bem para a marca. O valor de marca da Zara aumentou em 14% e agora vale US$ 6,78 bilhões. O pulo do gato da marca espanhola é trabalhar com uma renovação de produtos constante, contar com uma publicidade boca a boca forte e vender a última moda por um preço acessível.  Nestlé e Apple fecham a lista das cinco que mais se valorizaram no último ano. A Nestlé (US$ 6,31 bilhões: +13%) por manter o foco em pesquisa e desenvolvimento e a Apple (US$ 15,43 bilhões: +12%) por continuar vendendo bem os seus produtos inovadores.
Crise afeta, mas inovação pode ajudar
Na outra ponta estão as marcas que mais perderam valor. Num ano de crise, o setor financeiro foi o mais afetado. O banco suíço UBS caiu 31 posições no ranking da Interbrand e perdeu nada menos do que 50% do seu valor, agora de US$ 4,3 bilhões. O Citi foi no mesmo caminho. Perdeu -49% e passou a valer US$ 10,25 bilhões. American Express e Morgan Stanley também tiveram suas marcas afetadas. A grande surpresa foi a Harley-Davidson perdendo 43% de seu valor.
De acordo com a consultoria, a marca ícone da aventura em duas rodas perdeu valor porque suas vendas são bastante dependentes do mercado norte-americano. A grande questão aqui é que no ano que vem a marca volte a crescer, pois prepara o lançamento de uma bike para atrair os jovens e um novo modelo de moto, a Iron 883, com preço mais acessível.
Para a Interbrand, ganha valor as marcas que inovam com baixo custo e que conseguem entregar mais por menos, como a como a Hyundai; as que têm pensamento de líder e a inovação como obsessão, como a Apple; e as que têm consistência de performance, como Coca-Cola, a marca mais valiosa do mundo, com valor de US$ 68,734 bilhões. Já as que perdem valor são as retardatárias, mais expostas ao risco, que já foram líderes mas agora enfrentam o desafio de renovar seu modelo de negócio pra sobreviver, como GM e Yahoo!.

Por Bruno Mello

Por que uma marca ganha e outra perde valor?

O Ranking das 100 marcas mais valiosas do mundo, divulgado pela Interbrand este mês, deixa claro como a gestão do negócio, e aqui está incluído o Marketing, influência na percepção do consumidor e, claro, na geração de lucros. É interessante ver como se dá as maiores valorizações e quedas de valor das marcas e os porquês disso. Vejamos.

Harley-Davidson Motor Company

O Google, agora valendo US$ 31,98 bilhões, foi a marca que mais cresceu em valor: 25%. Segundo a Interbrand, a diversificação contínua dos negócios da Google como novos modelos de publicidade, a alta funcionalidade dos serviços, a transparência e o lançamento do Google Chrome e chegada do sistema operacional de celulares Android aos celulares foram os motivos.

Depois do Google, a Amazon.com foi a marca que mais ganhou valor, crescendo 22% e chegando a US$7,85 bilhões. Além de estar se beneficiando da estratégia de não ter lojas físicas em uma época de recessão, a loja de departamentos on-line vai  vender livros eletrônicos que podem ser lidos no iPhone e no iPod Touch e está buscando reduzir as embalagens, focando em sustentabilidade.

Ter um modelo de negócios inovador também faz bem para a marca. O valor de marca da Zara aumentou em 14% e agora vale US$ 6,78 bilhões. O pulo do gato da marca espanhola é trabalhar com uma renovação de produtos constante, contar com uma publicidade boca a boca forte e vender a última moda por um preço acessível.  Nestlé e Apple fecham a lista das cinco que mais se valorizaram no último ano. A Nestlé (US$ 6,31 bilhões: +13%) por manter o foco em pesquisa e desenvolvimento e a Apple (US$ 15,43 bilhões: +12%) por continuar vendendo bem os seus produtos inovadores.

Crise afeta, mas inovação pode ajudar

Image representing Google as depicted in Crunc...

Na outra ponta estão as marcas que mais perderam valor. Num ano de crise, o setor financeiro foi o mais afetado. O banco suíço UBS caiu 31 posições no ranking da Interbrand e perdeu nada menos do que 50% do seu valor, agora de US$ 4,3 bilhões. O Citi foi no mesmo caminho. Perdeu -49% e passou a valer US$ 10,25 bilhões. American Express e Morgan Stanley também tiveram suas marcas afetadas. A grande surpresa foi a Harley-Davidson perdendo 43% de seu valor.

De acordo com a consultoria, a marca ícone da aventura em duas rodas perdeu valor porque suas vendas são bastante dependentes do mercado norte-americano. A grande questão aqui é que no ano que vem a marca volte a crescer, pois prepara o lançamento de uma bike para atrair os jovens e um novo modelo de moto, a Iron 883, com preço mais acessível.

Para a Interbrand, ganha valor as marcas que inovam com baixo custo e que conseguem entregar mais por menos, como a como a Hyundai; as que têm pensamento de líder e a inovação como obsessão, como a Apple; e as que têm consistência de performance, como Coca-Cola, a marca mais valiosa do mundo, com valor de US$ 68,734 bilhões. Já as que perdem valor são as retardatárias, mais expostas ao risco, que já foram líderes mas agora enfrentam o desafio de renovar seu modelo de negócio pra sobreviver, como GM e Yahoo!.

Fonte: Mundo do Marketing